Postais Antigos de S. Tomé

Loading...

S. Tomé ao vivo e a cores

Loading...

Este é um blogue que surge no âmbito da disciplina de História do Património (Professora Marta M. Gomes), inserida na área de Humanísticas - Turismo, dos Cursos Secundários Profissionalmente Qualificantes. Durante o decorrer deste ano lectivo serão aqui colocados excertos dos trabalhos realizados pelos alunos no sentido de dar a conhecer o património existente em S. Tomé e Príncipe, mas também, visando o objectivo de promover turisticamente este belíssimo arquipélago. Pretende-se ainda, promover uma cidadania activa, no que diz respeito à preservação e manutenção do Património existente.

Esperamos que encontre aqui razões suficientes para visitar a nossa casa e para todos os que já aqui vivem, esperamos que consigamos o objectivo de espalhar a mensagem de que é preciso preservar a nossa história a fim de legar às gerações futuras uma herança digna de ser respeitada e apreciada.

marta

marques

gomes

historia do patrimonio

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Gastronomia

É de realçar que a gastronomia fez parte da cultura de um país e por outro lado identifica a cultura de um povo sendo, desta forma é também um forma de património. Neste âmbito torna-se necessário a sua preservação e valorização. O estudo deste tema tem como principal objectivo fazer apelo à população para a importância da preservação do nosso patrimonio e divulgação da nossa cultura.

O ser humano para sobreviver necessita de se alimentar, pois uma boa alimentação permite o crescimento e o desenvolvimento do corpo. Pois o tipo de alimento consumido pelo ser humano varia de região para região de país para país.

A cozinha de uma determinada sociedade é influênciada de uma forma e de outra através do processo de aculturação e por outro lado porque os ingredientes utilizados para sua confecção são característicos de cada região. Cada povo tem a sua cultura e tradição e por ter grande valor na sociedade sendo considerada seu património histórico-cultural e a gastronomia não foge à regra face ao seu valor é considerado por povos de diferentes partes do mundo como seu património. Deve-se salientar ainda que assim como sociedade não é estática a cozinha e o acto de cozinhar, não foge à regra uma vez que à medida que a população evolui também os pratos vão sofrendo transformações.

Em S.Tomé e Príncipe o tipo de gastronomia é influêncido não só pela história do passado (descobrimento, povoação e colonização) mas também pela própria localização geográfica do país e tipo de clima existente.

A época colonial, no séc. XIII a XIX, permitiu a entrada de vários povos que trouxeram a sua cultura e os seus hábitos alimentares  provenientes de zonas diferentes. Estas culturas trazidas por estes povos trouxeram um grande impacto no modo de cozinhar. Por outro lado S. Tomé e Príncipe localiza-se perto da linha do equador e banhado pelo oceano atlântico o que permite que possamos extrair do território nacional vários tipos de ingredientes e peixes em abundância na confecção dos pratos nacionais. As características climáticas permitiram o desenvolvimento de várias espécies de vegetais que se reflectem grandemente na cozinha são-tomense. Assim os tipos de pratos típicos existentes são: Ijogó, BláBlá, Izaquente, Molho Fogo, Azagoa, Mbelela, Fungi Maguita, Lússua, Calúlú, Kisaca, feijão à moda da terra entre outros.

Anteriormente a forma de cozinhar santomense era muito condimentada e demorava mais tempo, isto porque usava-se muitos ingredientes que exigiam muito tempo de cozedura,  o que contribuia para apurar o sabor dos alimentos mas também para apurar as suas características medicinais.

Actualmente a forma de cozinhar tornou-se muito mais prática e devido à falta de tempo que há nos nossos dias, e infelizmente, também, devido aos fracos recursos económicos por parte da população.

Em S.Tomé as épocas em que mais se confecionam os pratos típicos são:

  • festa do Bocado
  • festas religiosas
  • Natal
  • Ano Novo
  • casamentos e baptizados

No dia-a-dia a população opta pela confecção de  pratos mais rápidos e económicos como: Banana cozida acompanhada com peixe, Búzio do mato, fruta-pão, matabala, fuba com molho, entre outros.

Gastronomia e Turismo

O Turismo consiste na deslocação de pessoas do seu ambiente habitual para um outro local diferente do seu por motivos de lazer ou de negócios, por tempo consideravél que compreende no máximo de um ano e minímo de uma noite. Geralmente quando uma pessoa sai do seu ambiente habitual para um lugar desconhecido o seu motivo de deslocamento, consiste em ver, apreciar e usufruir da cultura existente.

O interesse dos turistas pela gastronomia típica de um país diferente do seu, tem por base recolher informações sobre o país em si e respectivamente da sua cultura. Neste sentido será benéfico para o país de visita, uma vez que poderão confecionar os seus pratos típicos para os turistas gerando assim grande lucro para o país e contribuir para o aumento da economia e ao mesmo tempo promover um desenvolvimento sustentável do mesmo.

Por um lado interessa aos turistas apreciar a nossa comida, o que é importante para promoção do turismo uma vez que S.Tomé tem uma flora bastante densa com ingredientes necessários para confecção dos pratos não sendo preciso a sua importação do estrangeiro, por outro permitirá que os pratos típicos sejam mais valorizados na sociedade uma vez que traz benefícios para toda população no que concerne à agricultura, comércio e outros sectores, permitindo desta feita uma maior valorização e divulgação.

Deste modo, deverá ser preservada e conservada uma contuibuindo para o desenvolvimento económico de S. Tomé.

S. Tomé a nível do turismo está ainda um pouco atrasado uma vez que ainda não há uma certa consolidação no que diz respeito ao turismo e à gastronomia ou seja, não há uma grande promoção e divulgação da cultura a nível da gastronomia para o desenvolvimento do turismo. Prova disto é que em muitos hoteis e restaurantes confecionam-se mais pratos estrangeiros do que os de S.Tomé uma vez que a maioria dos hoteis existentes no país são estrangeiros. Portanto, o turismo em S.Tomé poderá fazer da gastronomia um grande recurso se a mesma for bem explorada e divulgada.

Calúlú

Ingredientes:

Folha galo, óca, tartaruga, pega-lato, mamblemble, maquêquê, libô de água, libo mucanbû, mussúa, codô kê (corda de casa), grão, thili branco, margoso, zaia, matruço, pau três, quissobo, figo porco, fruta-pão e azeite de palma.

Peixes: peixinho, peixe (fumado), cabeça de peixe salgado, búzio, tararuga salgada, camarão, fulu-fulu (Atum), maspombo e voador.

Forma de preparação:

Depois de escolhidas as folhas ou seja, separadas as consideradas em bom estado, cortam-se aos pedacinhos lava-se e deita-se dentro da panela com água a ferver, depois põe-se o quiabo, tomate, cebola, folha louro, fruta-pão descascada e cortada em pedaços. O óleo de palma e o maquêquê descascado pode-se pôr no príncipio ou a meio da fervura.

Depois de tudo bem cozido volta-se a calocar a fruta-pão já pisada na panela para engrossar o calúlú, quando já engrossado põe-se malagueta, o tempero, cebola e a casca de pau pimenta previamente pisados em conjunto, coloca-se um ou dois ramos de folha de mosquito e deixa a ferver durante não menos de 10 minutos tendo-se o cuidado de se ir provando para se colher o gosto ou sabor do calúlú.

O sal deve ser posto à medida e o mesmo deve ser acompanhado com farinha de mandioca, arroz branco, fuba e angú.

Eldon, Simão e José

Esperamo por si para provar o nosso Calulú.

2 comentários:

Ciça Roxo disse...

Carissimo,sou brasileira, chef de cozinha.
Gostaria muito de conhecer melhor os aromas e sabores da cozinha de S Tomé. Uma amiga que ai está me perguntou se gostaria que ela trouxesse algum ingrediente para mim. O que me aconselha pedir? Muito obrigada,
ciça roxo
roxo@superig.com.br

Ciça Roxo disse...

Carissimo,sou brasileira, chef de cozinha. Gostaria muito de conhecer melhor os aromas e sabores da cozinha de S Tomé. Uma amiga que ai está me perguntou se gostaria que ela trouxesse algum ingrediente para mim. O que me aconselha pedir?
Muito obrigada,
ciça roxo
roxo@superig.com.br