Postais Antigos de S. Tomé

Loading...

S. Tomé ao vivo e a cores

Loading...

Este é um blogue que surge no âmbito da disciplina de História do Património (Professora Marta M. Gomes), inserida na área de Humanísticas - Turismo, dos Cursos Secundários Profissionalmente Qualificantes. Durante o decorrer deste ano lectivo serão aqui colocados excertos dos trabalhos realizados pelos alunos no sentido de dar a conhecer o património existente em S. Tomé e Príncipe, mas também, visando o objectivo de promover turisticamente este belíssimo arquipélago. Pretende-se ainda, promover uma cidadania activa, no que diz respeito à preservação e manutenção do Património existente.

Esperamos que encontre aqui razões suficientes para visitar a nossa casa e para todos os que já aqui vivem, esperamos que consigamos o objectivo de espalhar a mensagem de que é preciso preservar a nossa história a fim de legar às gerações futuras uma herança digna de ser respeitada e apreciada.

marta

marques

gomes

historia do patrimonio

terça-feira, 29 de Julho de 2008

Biodiversidade em STP

A IMPORTÂNCIA DA BIODIVERSIDADE PARA O HOMEM E O MEIO AMBIENTE

Os conhecimentos acerca da Biodiversidade da sua utilização e dos perigos que a mesma enfrenta é uma preocupação que tem vindo desde a antiguidade até aos nossos dias. Uma vez que a mesma, devido à riqueza de espécies que a terra nos fornece; alimentos, substâncias químicas úteis e muitos outros produtos.

Apesar de dependermos da Biodiversidade, porém, parece que o mundo está a passar por um surto de extinções que ameaça a complexa cadeia biológica. Agora, que estamos a começar a entender o papel vital da Biodiversidade, estamos também a provocar mais extinções do que nunca. Assim, ao exterminar a flora do mundo a humanidade está a perder a oportunidade de descobrir novas drogas e substâncias químicas. «Toda vez que uma espécie se extingue, desaparece também uma opção para o futuro». «Desaparece uma possível cura para o HIV/SIDA ou uma planta resistente ao vírus». Assim, devemos interromper a extinção das espécies de alguma maneira.

Precisamos dos serviços essenciais prestados pelos ecossistemas e dos quais dependem todos os organismos vivos. A produção de oxigénio, a purificação da água, a filtragem de poluentes e a prevenção da erosão do solo, são funções vitais realizadas por ecossistemas saudáveis.

A grande maioria de pessoas não tem a noção de que vivemos numa grande gaiola (PLANETA TERRA). Para sobrevivermos é necessário não provocar a sua destruição, extinção, mas sim devemos protegê-la e mantê-la limpa.

Não podemos continuar a provocar estes problemas, senão encontraremos a morte. Infelizmente, a maioria das pessoas do globo terrestre não tem a mínima consciência disso. São pessoas inconscientes, nomeadamente os políticos, que se preocupam especialmente com a produção económica durante o período dos seus mandatos, sem se importarem com os elevados níveis de destruição e poluição produzidas pela modernização dos lugares e pela actual industrialização.

Os outros seres vivos não são apenas as nossas fontes alimentares, fornecem-nos muito mais do que isso, como por exemplo: as substâncias salutares (mais de 70% dos medicamentos são extraídos de plantas e cerca de 90% são de origem biológica), vestuário (praticamente tudo que vestimos é de origem animal e vegetal), energia (lenha, petróleo, cera, resinas e outros), materiais de construção de madeira e mais.

Enfim, sem o património biológico não comíamos, não nos vestíamos, não teríamos medicamentos, luz eléctrica, energia, etc. Portanto sem os outros seres vivos não sobrevivíamos no globo terrestre. Por isso torna-se necessário a consciencialização do mal que estamos a causar à Biodiversidade natural, passando a protege-la, garantindo o equilíbrio ambiental e a vida na terra.

OS PERIGOS QUE O HOMEM TRÁZ À NATUREZA

A existência de vida na terra, só é possível devido a um dinamismo e uma interdependência entre os seres vivos incluindo os Humanos.

Estamos dependentes de outros seres vivos para obtermos alimento, remédios, oxigénio que respiramos e outros elementos que compõem o nosso corpo. Ao longo de um dia normal o homem utiliza mais de 40.000,00 espécies naturais.

Todas as espécies que habitam na terra formam uma cadeia biológica complexa e espantosa. Contudo esta cadeia está sobre ataque. Talvez muitos já ouviram falar de espécies como ossobô, tartarugas, baleias, porcos do mato, tigres entre outros que estão ameaçados de extinção. Muitos acham que, no passado, essa extinção era provocada principalmente por causas naturais. Mas actualmente, dizem que a causa principal dessa crise é outro, evidentemente, as extinções modernas são provocadas pela acção humana. Essa extinção tem a sua origem na:

_destruição de habitat (principal causa da extinção), devido a extracção de madeira, exploração de minérios, a retirada de algumas espécies da mata para a pecuária, bem como a construção de casas de estradas em lugares anteriormente selvagens;

_espécies exóticas (que provoca uma mudança no ecossistema), superando as espécies nativas, ou então traz consigo doenças, contra as quais, as espécies não têm defesa;

_super exploração (que já causou a extinção de várias espécies);

_o crescimento da população (que ultrapassou o limite dos recursos naturais), provocando também a extinção a um ritmo muito alarmante;

_ameaça do aquecimento global (com o aumento elevado da temperatura), com esse aumento, talvez, algumas espécies não sobreviverão isto porque o aumento da temperatura é o factor que contribui para a morte dos recifes de coral, que abrigam boa parte da Biodiversidade marinha.


PRINCIPAIS AMEAÇAS À BIODIVERSIDADE SANTOMENSE

A interferência do Homem sobre os recursos naturais, de uma forma intensiva e de modo não sustentável, provoca consequências irreparáveis para a Biodiversidade. No nosso país ainda não se verifica de uma forma tão grave os problemas ambientais quando é feito uma comparação com outros países africanos.

Contudo a maior preocupação das autoridades nacionais está virada para a nossa Biodiversidade, pois o país possui ainda uma importante reserva natural de alta qualidade e de grande importância. No entanto, no decorrer do tempo, determinadas práticas ligadas à política não muito bem designadas, tem estado a ameaçar e a provocar uma grande pressão sobre a Biodiversidade, que, em alguns casos têm também consequências para a saúde humana e as actividades económicas. Sendo assim, podemos mencionar as principais ameaças a nossa Biodiversidade:

  • A erosão costeira e a destruição das praias como consequência da extracção da areia, destruindo também as áreas de reprodução das tartarugas marinhas;
  • A utilização de redes de tamanhos não apropriadas nas actividades piscatórias, bem como a utilização de granadas para captura do pescado;
  • Derrame dos resíduos petrolíferos no rio Água-Grande, com repercussões também para as áreas costeiras;
  • A desflorestação e a ocupação das áreas do parque natural pelas agriculturas;
  • Queimadas descontroladas e a destruição da cobertura vegetal;
  • A caça intensiva das espécies comercialmente valiosas;
  • A comercialização do papagaio e das tartarugas de forma ilegal;
  • O aumento da erosão do solo no interior do país e a poluição dos lençóis freáticos com produtos químicos.

Essa Biodiversidade de grande fragilidade à acção do homem é reconhecida como de grande importância para a maioria da nossa população que se encontra ligada aos recursos naturais do país, quer seja através da retirada directa dos recursos florestais para o uso como combustível, alimentação e construção, quer seja através do uso da flora local para a prática medicinal. Com este propósito o estado fixou como objectivo a exploração sustentável dessa Biodiversidade, garantindo outra forma de rendimento para a população local que deve ser sensibilizada a participar activamente em actividades como o ecoturismo, artesanato, como forma de protecção e conservação da Biodiversidade nacional.

CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE NATURAL DAS ILHAS

Com o andar do tempo tem-se vindo a demonstrar uma grande preocupação com a conservação do património natural de S.Tomé e Príncipe. Este faz parte, toda uma vegetação rica em espécies endémicas, como também uma fauna que nele habita e que dela depende. Constituindo também uma fonte de plantas de valor alimentar e medicinal.

Foi com base nestes factores importantes que se criou duas áreas protegidas de floresta nas duas ilhas. Dando surgimento, assim, ao parque natural de obó, em S.Tomé e no Príncipe o parque natural do Príncipe.

Por outro lado tem-se desenvolvido também vários projectos de investigação com base na flora de S.Tomé e Príncipe, apoiados sobretudo na parte científica pelo projecto europeu ECOFAC.

Tendo a sua origem em 1992, proporcionou a criação de um centro de investigação na roça Bom Sucesso, que dele faz parte uma colecção de plantas secas organizada cientificamente (herbário), e um recinto próprio para reprodução de orquídeas e um espaço para o alojamento de quem lá visita, se permanecer uma preocupação activa em relação ao património natural (fauna e flora) de S.Tomé e Príncipe, é possível conservar um ambiente que demonstra ser de enorme riqueza de espécies raras, endémicas e de grande importância ecológica e medicinal.

A VALORIZAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ATRAVÉS DO ECOTURISMO

O ecoturismo é um segmento de actividade turística que utiliza de forma sustentável a diversidade natural e cultural incentiva a sua conservação e busca a formação de uma noção de protecção do ambiente, permitindo um bem-estar das populações envolvidas.

No ecoturismo existe movimento, acção e as pessoas na busca de experiências únicas e exclusivas, caminham, carregam mochilas, apanham chuva e sol e suam, mantendo um contacto directo com a natureza. O ecoturismo ainda se diferencia de outros segmentos de actividade turística por passar informações e curiosidades relacionadas com a Biodiversidade ecológica, os costumes e a história local, o que acaba por possibilitar uma integração mais educativa e envolvente com a região.

Para que uma actividade seja classificada como ecoturismo são necessários quatro requisitos básicos:

  1. O respeito pelas comunidades locais e o envolvimento económico e efectivo das mesmas;
  2. O respeito pelas condições naturais;
  3. Conservação do meio ambiente;
  4. Interacção educacional

Estes permitirão que os visitantes aprendam e interiorizem novos conceitos próprios do local e se tornem embaixadores na promoção do local visitado.

S.Tomé e Príncipe oferecem uma oportunidade única para ligar, através do turismo, a conservação da Biodiversidade e as áreas naturais com o desenvolvimento económico sustentável. A ligação da diversidade de ecoturismo de beleza cénica inegável, com elevados níveis de endemismo, faz o país uma atracção particularmente para aqueles em busca do turismo ecológico.

Algumas referências de inquestionável interesse turístico presentes no país são:

  1. O pico de S.Tomé, a 2024m de altitude, ponto mais alto da ilha;
  2. Quedas de água de beleza cénica, como as cascatas de São Nicolau, de Bombaim e de Blú-Blú;
  3. A vegetação exuberante, como as florestas primárias e florestas secundárias, onde a flora e a fauna endémicas são objectos de observação;
  4. As plantações de cacau e de café, sob a protecção da floresta de sombra no interior, através do qual se encontram ainda árvores gigantescas, testemunhos das florestas húmidas de baixa altitude de outrora;
  5. Riqueza marinha que com tartarugas, golfinhos, baleias e pesca desportiva;

Esta actividade económica está actualmente subutilizada, não dispondo ainda o país de oferta organizada de facilidades, como infra-estrutura ou serviços adequados. Uma das acções prioritárias viradas para a valorização da Biodiversidade do ecossistema florestal identificadas no Eixo Estratégico para a conservação do ecossistema florestal, de que se compõe a Estratégia Nacional e Plano de Acção da Biodiversidade (ENPAB) de S.Tomé e Príncipe, é justamente a estruturação e operacionalização do ecoturismo no país.

O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO E A SUA MOTIVAÇÃO PARA A CONSERVAÇÃO

Como já foi de notar a população santomense não possui um nível de conhecimento elevado acerca daquilo que os rodeia. Esta falta de conhecimento afecta também a nossa Biodiversidade, uma vez que a generalidade da população embora ter ouvido falar da acerca desta, os mesmos não possuem um conhecimento profundo acerca da sua constituição ou dos perigos que a mesma tem vindo a enfrentar dia após dia.

Com esta falta de conhecimento e o desinteresse por parte da população não se encontra capacitada para lidar com a nossa Biodiversidade.

Como já tem vindo a acontecer a população encontra-se nesse momento a provocar uma grande transformação da Biodiversidade santomense, cortando as árvores, praticando caça intensiva e desbravando a floresta para a prática d agricultura.

Não podemos apontar todos esses problemas, como a falta de conhecimento por parte da nossa população, mas também devido a falta de fiscalização por parte da autoridade nacional, uma vez que já foi notado por parte de muitas pessoas dotadas de conhecimento a praticar também esses actos ilícitos que põem em risco a Biodiversidade.

Com a falta ou não de conhecimento é de verificar que a população santomense não se encontra capacitada para proteger a mesma Biodiversidade e não mostrará capacitada caso não haja uma melhoria de vida significativa ou uma outra fonte de rendimento para a população que utiliza a mesma, como a sua principal fonte de sobrevivência.

BALANÇO GERAL DOS INQUÉRITOS

De um modo geral, a maioria da população sabe o que é a biodivercidade. Porém, os mesmos não possuem um conhecimento generalizado acerca da mesma. Não sabendo esplicar muito dos aspectos relacionados co a nossa biodivercidade. Podemos verificar esta mesma falta de conhecimento por parte da nossa população, depois da realização de um pequeno inquérito, onde a faixa etária dos 10 aos 20 anos, souberam explicar o que é a biodiversidade, mas muitos deles não foram mais longe. Por outro lado, a faixa etária dos 20 aos 50 anos possuem um conhecimento, um pouco mais abrangente acerca dessa mesma biodiversidade. Sabendo explica-nos muitos dos aspectos relacionados com a sua constituição, conhecendo ainda algumas espécies endémicas e outras em via de extinção, das ilhas. Como támbem de vários outros fsactores relacionados com a mesma.

A beleza incomparável e inconfundível da Biodiversidade santomense, faz com esta seja totalmente diferente das outras, com diversas variedades de plantas e animais endémicos e outros que podem-se encontrar em outras partes do mundo.

A nossa Biodiversidade tem a sua particularidade, ou seja, inúmeras plantas e animais, graças ao clima que com a sua abençoada chuva, o seu bendito sol e a sua bem-vinda temperatura, faz desta terra um autêntico paraíso ecológico no meio do oceano concretamente sobre a linha do equador. Porém podemos verificar que a mesma está a ser destruída. Como já foi de notar, os problemas relacionados com a Biodiversidade, a natureza, e o meio ambiente, são problemas que afectam todo o mundo e S.Tomé e Príncipe também não foge a regra. Embora tenhamos ainda uma reserva florestal bem preservada, não indica que tudo já foi feito.

Pois como é de notar, o número da população do país tem aumentando a um nível muito elevado, e a necessidade da sobrevivência irá ser maior. E com essa falta de emprego, todos os olhos estarão virados para a nossa Biodiversidade, como já tem vindo a acontecer nos últimos anos.

Porém se medidas não forem tomadas para pôr fim a essa exploração intensiva que ao longo do tempo tem pondo em causa os recursosnaturais.

Sendo assim as gerações futuras não conseguirão sobreviver de uma forma digna e saudável uma vez que muitos problemas relacionados com a natureza começam já a aparecer como o aquecimento global, a perda de fertilidade dos solos e a poluição elevada do meio ambiente.

Por isso torna-se necessário que as autoridades fornecem uma maior protecção, permitindo uma exploração sustentável dos recursos existentes na nossa Biodiversidade. Por outro lado, as pessoas devem consciencializar-se que para nos mantermos vivos e necessário a existência da natureza, isto porque esta é muito importante para a sobrevivência do homem, porque permite o equilíbrio ambiental.

Assim concluímos que o problema de proteger e preservar a Biodiversidade natural, não é apenas do país, ou de um grupo de pessoas, mas sim, um problema de todos que habitam o planeta terra, uma vez que os problemas que poderão surgir afectarão todo o mundo.

Assim torna-se necessário a união, ou seja, um por todos, todos por um, de forma a garantirmos uma boa preservação da Biodiversidade mundial.

___________________________

Este trabalho foi realizado tendo por base bibliografia que embora não seja aqui sitada, poderemos facultar se for do interesse do leitor.

Obrigada a todos

Liliane, kelves e Dideltino

1 comentário:

Anónimo disse...

Sou natural de stp nasci em 1965 vim com 8 anos para portugal nunca mais la voltei fiz uma jura só morrer depois de ir à minha terra natal. Gostei muito do vosso blog.Estou a faser um trabalho sobre urbanismo e mobilidade. Casas de stp casas de portugal. Tenho que indicar o tipo de material de construção em stp para compar com casas de portugal.